Notícias do Mundo

Médica grávida de 8 meses morre de Covid-19 e bebê é salvo em parto de emergência em MT

A médica Cibele Bento Rodrigues, de 38 anos, morreu nesta terça-feira (6) vítima da Covid-19 em Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá. Ela estava grávida de oito meses e os médicos conseguiram salvar o bebê em um parto de emergência.

Segundo informações de amigos, a médica passou mal no final de semana e estava com um quadro de tosse. Ela procurou atendimento em um hospital de Barra do Garças, onde foi internada na segunda-feira (5).

Anúncios

Ela precisava ser intubada, mas sofreu uma parada cardíaca e morreu. Não há informações se ela tinha algum tipo de comorbidade.Bebê foi salvo após médica morrer por Covid-19 e foi transferido para Goiânia — Foto: Arquivo pessoal

Bebê foi salvo após médica morrer por Covid-19 e foi transferido para Goiânia — Foto: Arquivo pessoal

Bebê foi salvo após médica morrer por Covid-19 e foi transferido para Goiânia — Foto: Arquivo pessoal
O bebê, um menino, foi transferido em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea para Goiânia.

Cibele trabalhava em Ribeirãozinho, cidade vizinha a Barra do Garças.

O pai dela, José Rodrigues Neto, é ex-vereador na região. Além da médica, os pais, a cunhada e os sobrinhos dela testaram positivo para a Covid-19.

Cibele tinha experiência como biomédica e fez especializações na Bolívia, além de participar do programa Mais Médicos.

Desde o início da pandemia, 26 grávidas morreram com Covid-19 em Mato Grosso.

De acordo com a ginecologista e obstetra Bruna Fagundes Teixeira, a gestação é um momento que deixa a mulher mais suscetível a contrair doenças.

“A gestação põe a paciente em um estado de imunossupressão, então ela fica mais suscetível à infecções e à complicações das infecções, inclusive a Covid-19. São complicações tanto clínicas, que podem ser necessárias de hospitalizações, e também complicações obstétricas. [É] No pré-natal que a gente vai excluir causas e fazer tratamentos que vão prevenir trabalho de parto prematuro, síndromes hipertensivas graves maternas que levem ao parto prematuro, dentre outros”, afirma. (G1)

Anúncios
crie seu site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.